Notícias

Trata o chefe como amigo? 5 dicas para manter um relacionamento saudável Fonte: Yahoo, 26/07/2019

Os brasileiros no geral - e especialmente a geração Y - prezam por uma relação de muita proximidade no ambiente de trabalho. A princípio ter um bom ambiente de trabalho não é problema nenhum para as organizações, mas o problema é que muitas vezes os colaboradores começam a enxergar a liderança de forma errada, ou seja, como seus amigos.

“Realmente o brasileiro atua mais informalmente, deixando o ambiente mais amistoso e descontraído, porém pode criar alguns desconfortos no convívio diário. É imprescindível entender claramente a relação e a importância da hierarquia para qualquer sistema, seja ele corporativo, familiar, animal, ambiental, dentre outros”, acredita Fatima Trindade, consultora de carreiras da Thomas Case & Associados, consultoria de atuação de gestão de carreiras e RH.

Afinal, ainda que o líder seja mente aberta, ele também é cobrado por metas e resultados, o que, se não for bem interpretado, a área não performa, não resulta em bons resultados, impactando no relacionamento em si. “Se a troca entre a liderança e os liderados for bem interpretada, com comprometimento e foco nos resultados da empresa e na boa convivência com os clientes e fornecedores, não haverá problemas efetivos. Lembrando sempre que a relação ocorre em via de mão dupla”, explica Trindade.

A consultora de carreiras da Thomas Case & Associados explica que esse tipo de situação acontece quando os perfis comportamentais ou “soft skills” da equipe estão desalinhados. “Por isso, ao contratar alguém novo para o time é preciso prever a adequação dos diversos perfis à estrutura, alinhando também as competências técnicas almejadas para a posição”, orienta.

A relação entre líderes e liderados tem uma linha tênue que sempre merece a atenção. Como é uma via de mão dupla. “Por isso é importante evitar invasões, comentários que podem se tornar pontos críticos na relação. Prezar por um bom ambiente de trabalho e com resultados esperados é sempre a melhor opção”, explica Trindade.

1- Tome cuidado com alguns comentários
Mesmo que o chefe seja uma pessoa comunicativa, flexível e expansiva é preciso tomar cuidado com alguns comentários que emitam juízos de valor ou brincadeiras que possam ser constrangedoras ou preconceituosas. “Aliás, esses são cuidados que devem ser tidos independentemente do nível hierárquico. Sem essas atitudes é possível construir uma relação amistosa, mas de forma respeitosa, sem ultrapassar alguns limites”, orienta Vianna.

2- Evite palavrões
Por mais arrojado que seja o seu chefe, Vianna recomenda evite falar palavrões quando for se comunicar com ele. “Quando o ambiente de trabalho é mais descontraído, não tem problemas em falar gírias e de maneira mais informal com o seu chefe, se ele der essa abertura. Mas, ainda assim, é importante evitar o uso de palavrões”, afirma.

3- Não deixe o excesso de intimidade influenciar o trabalho
Por vezes, o colaborador pode acreditar que é tão próximo do chefe que já tem autonomia para tomar algumas decisões que não estão relacionadas ao seu nível hierárquico. “Mas é preciso saber separar muito bem as relações e entender o que faz parte do seu escopo de trabalho e até que ponto vai a sua autonomia”, explica Vianna.

4- Tenha autocontrole
Trindade recomenda sempre buscar o autoconhecimento, entendendo suas competências e gaps para desenhar novas formas de se relacionar consigo e com outros. “Isso favorece o autocontrole, o que evitará discussões acaloradas, vitimização quando cobrado para entrega no prazo e diversas outras possíveis situações e condutas” orienta.

5- Não invada o espaço do líder
Como profissional membro de uma equipe, é necessário saber ouvir, aguçar sua observação, respeitando o bom clima e ambiente, estando sempre pronto e disposto a ajudar. “É importante não invadir o espaço da liderança de forma autoritária ou inescrupulosa, evitando situações que podem dar margem a má interpretação”, explica Trindade.

Outras notícias