Nós usamos cookies e outras tecnologias semelhantes para melhorar a sua experiência em nosso site.
Ao utilizar nosso site e suas ferramentas, você concorda com a nossa Política de Privacidade.

Cia Consultores - Política de Privacidade

Esta política estabelece como ocorre o tratamento dos dados pessoais dos visitantes dos sites dos projetos gerenciados pela Cia Consultores.

As informações coletadas de usuários ao preencher formulários inclusos neste site serão utilizadas apenas para fins de comunicação de nossas ações.

O presente site utiliza a tecnologia de cookies, através dos quais não é possível identificar diretamente o usuário. Entretanto, a partir deles é possível saber informações mais generalizadas, como geolocalização, navegador utilizado e se o acesso é por desktop ou mobile, além de identificar outras informações sobre hábitos de navegação.

O usuário tem direito a obter, em relação aos dados tratados pelo nosso site, a qualquer momento, a confirmação do armazenamento desses dados.

O consentimento do usuário titular dos dados será fornecido através do próprio site e seus formulários preenchidos.

De acordo com os termos estabelecidos nesta política, a Cia Consultores não divulgará dados pessoais.

Com o objetivo de garantir maior proteção das informações pessoais que estão no banco de dados, a Cia Consultores implementa medidas contra ameaças físicas e técnicas, a fim de proteger todas as informações pessoais para evitar uso e divulgação não autorizados.

fechar

Notícias

Compliance oferece vantagens competitivas para todas as empresas Fonte: NSC Total, 03/11/2021

O combate a atos ilícitos no Brasil ganhou capítulos marcantes a partir de 1998 com a Lei da Prevenção à Lavagem de Dinheiro e, mais recente, em 2013, com a Lei Anticorrupção. Essas e outras regulamentações entraram em vigor para ampliar a fiscalização contra práticas e atividades ilegais tanto na administração pública quanto na iniciativa privada. Foi na esteira desse movimento que o compliance se fortaleceu dentro das empresas e, hoje, é considerado peça fundamental para apoiar negócios seguros e transparentes.
Compliance significa estar em conformidade com normas, leis, regulamentos, políticas e diretrizes - seja dentro das organizações ou no mercado onde elas atuam. No dia a dia corporativo, o departamento de compliance é responsável por promover a ética nas relações comerciais com o intuito de prevenir, detectar e remediar desvios de conduta que podem trazer impactos financeiros, jurídicos ou reputacionais. Por esse motivo, a área está vinculada a outros temas que também entraram no radar nos últimos anos: governança corporativa, gestão de riscos e controles internos. 
Compliance significa estar em conformidade com normas, leis, regulamentos, políticas e diretrizes - seja dentro das organizações ou no mercado onde elas atuam. No dia a dia corporativo, o departamento de compliance é responsável por promover a ética nas relações comerciais com o intuito de prevenir, detectar e remediar desvios de conduta que podem trazer impactos financeiros, jurídicos ou reputacionais. Por esse motivo, a área está vinculada a outros temas que também entraram no radar nos últimos anos: governança corporativa, gestão de riscos e controles internos.
Segundo dados do anuário Análise Executivos Jurídicos e Financeiros, 83% das maiores empresas brasileiras tinham departamentos de compliance em 2020. Cinco anos antes, quando a Lei Anticorrupção ainda era novidade no Brasil, o número era de 68%, o que indica a crescente adesão ao tema ao longo do tempo. Conforme a importância do processo de mitigação de riscos se populariza no mercado nacional, a tendência é que mais companhias passem a estruturar a área.

A catarinense Neoway, líder em soluções de Big Data Analytics e Inteligência Artificial, é um exemplo da importância de se investir no tema. Em 2019, a companhia lançou o NeoEthics, o seu programa de compliance, e os resultados têm sido expressivos. Vale destacar, por exemplo, que a Neoway conta hoje com um Sistema de Gestão Antissuborno certificado pela ISO 37.001.Além disso, a área usa as próprias tecnologias de Risk & Compliance da empresa para automatizar e facilitar seus processos. No ano passado, a cada 10 diligências rodadas para análise de terceiros (como parceiros, fornecedores e distribuidores), 6 foram aprovadas automaticamente, o que significou uma economia de trabalho de 322 dias. As análises de conflitos de interesse aplicadas aos colaboradores tiveram o mesmo índice de aprovação e pouparam 337 dias que seriam gastos com avaliação manual de formulários.— Esses números mostram o ganho de eficiência nos processos de compliance — analisa Luciana Silveira, Chief Compliance Officer da Neoway. Ela reforça que o departamento pode ser útil para empresas de todos os portes e segmentos.No caso de pequenas e médias empresas, diz ela, o departamento define controles internos que mitigam riscos, aprimoram processos e contribuem para um ambiente mais saudável de trabalho em que o código de ética e a transparência são valorizados.Se bem gerido e imerso na cultura organizacional, o compliance é capaz também de contribuir para a atração de novos clientes, investidores e colaboradores interessados em fazer parte de um ambiente que respeita boas práticas de mercado. Por isso, seja qual for a atividade na qual esteja envolvido, na visão de Luciana, é imprescindível que o departamento funcione como um pilar de negócios e tenha voz ativa junto às lideranças.— Ter um programa de compliance não basta, porque é preciso enxergar a área para além das leis e dos treinamentos. Quando o departamento roda bem na empresa, ele atua em parceria com outras áreas e oferece condições para apoiar as tomadas de decisão em momentos nos quais os riscos podem superar os benefícios — diz.Como tornar o compliance um pilar do negócio na sua empresa?Segundo Luciana Silveira, a incorporação do compliance como parte da estratégia da empresa passa por elementos fundamentais sem os quais a mensagem da área não é absorvida como deveria. Confira como colocar o processo em prática:ClarezaÉ preciso falar a "mesma língua" dos colaboradores para transmitir o propósito do trabalho, que é contribuir para um ambiente equilibrado das relações comerciais. Por isso, entender a fundo o modelo de negócios e o contexto no qual a empresa está inserida são tarefas obrigatórias do compliance. Sem a humanização na comunicação, os colaboradores não entendem o real objetivo da área e acabam por esquecê-la em momentos decisivos. E sem a visão do negócio, os demais executivos tendem a atuar em silos, prejudicando a integração do compliance na tomada de decisão estratégica.Apoio da liderançaO comprometimento de "cima para baixo" estabelece condições para que o compliance tenha uma agenda própria e possa avançar como parte da cultura organizacional. Uma empresa que leva o tema a sério precisa da adesão de todos os níveis hierárquicos, inclusive a do CEO.EngajamentoOs vínculos criados entre os operadores do compliance e o restante da organização são imprescindíveis para incorporar o setor nas decisões do dia a dia. É a partir dos treinamentos e das comunicações que os participantes reconhecem o valor de sua contribuição para o programa como um todo, o que gera sensação de pertencimento. E isso vale tanto para o nível operacional, quanto para a média e alta liderança. Em vez de dar ordens, converse, entenda a realidade das demais áreas, e estruture os processos do compliance de forma a atender o ponto ótimo da mitigação de risco.

Outras notícias

Acesse seus certificados